sábado, 27 de outubro de 2012

Sarau Donana

Eu, Jr. Blue e Alcides Eloy montamos - certa feita - um grupo de poesia dentro do grupo Desmaio Públiko. Decúbito Dorsal era o nome do danado. Saíamos procurando lugares que tivessem algum movimento cultural para atacarmos, com nossos poemas irreverentes ou patologicamente apaixonados. Um desses locais virou a nossa casa. Este lugar era o Centro Cultural Donana na Piam, por volta de 1994.

Conhecíamos a história do local como o berço do reggae e naquela época era comum encontrar por lá os integrantes do Cidade Negra, KMD-5 (na verdade a casa do Dida Nascimento e do Marrone, integrantes da banda). Conhecemos também os rappers Nino Rap e Ed Mc, sua namorada na época, que tinha um grupo de dança afro, lindo. A capoeira com o mestre Monstrinho (um cara gigante forte que só) que as vezes jogava com uma menininha de uns 5 anos. Dava medo!

E nós do Decúbito Dorsal ao lado do poeta Raimundo e de outro que esqueci o nome, declamávamos versos e paixões.

Depois a Dona Ana (mãe dos meninos e inspiração para o nome da Centro Cultural) nos deixou e ficamos também órfãos do espaço e dos eventos. Nesta época também o KMD-5 havia mudado de nome e virado o Negril e começado a excursionar pelo o Brasil, aparecer na MTV e tal.

Surpresa foi há pouco tempo acompanhar a reabertura do espaço com o CineRock entre outras atrações. O Sarau Donana realizado pelo Coletivo Pó de Poesia, lançando o fanzine Entrelinhas, aglutinando os grupos e movimentos poéticos que começaram a pipocar nos novos tempos, tornando o sagrado espaço em profano!

Tive, não a oportunidade, mas sim, o privilégio de estar no Rio no último Sarau (29/09/12). Privilégio, porque foi um daqueles momentos em que a emoção comunga com a razão. Estar ali, ao lado de Ivone Landim, Dida Nascimento foi como a realização de um sonho antigo. Rever o poeta Euclides Amaral com mais gás que antes, quebrando tudo numa apresentação arrebatadora, o poeta Idicampos (Colinha) declamando magistralmente seus versos e o poeta Naldo Calazans (Preguinho) inspiradíssimo participando performaticamente de cada apresentação, não teve preço.

Como não teve preço também o pocket show acústico do Seu Mathias e Panela Zen me surpreendendo com músicas maravilhosas, letras bem sacadas, banda azeitadinha e som da melhor qualidade.

Certa hora da noite mágica a Ivone Landim me convidou ao palco e fez uma belíssima homenagem ao Desmaio Públiko e ao poeta aqui tagalera. Chorei. Choramos de alegria de nos sabermos amigos, poetas, admiradores, comparsas, cúmplices da poesia que nos regeu sempre e que nos guia ainda pelo caminho do amor.

E ainda teve o Maurício Galo e sua voz linda emocionando a todos, André Luz arrebentando a percurssão em uma Jam fodaça com Dida e Preguinho (tocando instrumentos invisíveis), a poeta Camila Senna, o Grêmio e Futebol Clube dos meninos do bairro regidos por um maestro/técnico emocionando a todos.

Teve o rapper e poeta Slow DaBF, o poeta Vicentinho, os poetas do Pó de Poesia (ausência marcante do poeta Marcio Ruffino), o saxofonista solitário arrancando lágrimas, a Cássia fotografando tudo, a poeta Luisa Rodriguez, segura e certeira como sempre e só não sei como terminou aquela noite porque fui embora com o Euclides Amaral para Nova Iguaçu deixando a noite um pouco mais cedo, mas já grato por ter vivido aquelas horas de oxigênio como há muito não vivia.

Hoje vai rolar de novo e infelizmente não poderei estar em Belford Roxo, mas insisto para que quem puder ir até a Piam, não deixe esta oportunidade passar. Afinal, a noite contará com uma homenagem aos poetas Marlos Degani e Jorge Cardozo e o show será do Maurício Galo lançando seu lindo disco Asfaltando Dor Pequena. Vai ficar de fora, Mané?

3 comentários:

Palavras Versadas disse...

Me emocionei com sua matéria.
Estarei hoje no Sarau Donana.
E saiba desde logo, que nao só serás lembrado, como tbm fará parte das infinitas conversas entre mesas.

Obrigado pela injeção de ânimo, da inspiração de tocar a poesia à frente.

Nova Iguaçu nasceu mais rica quando você surgiu feito vento, e arrastou com sua ideologia, toda uma geração riquíssima em cultura, por ruas antes vazias. Certo é, que atravez de sua iniciativa, o Desmaio Públiko veio para fixar a poesia como patrimonio cultural da cidade. E hoje podemos desfrutar vendo Marlos Degani e Jorge Cardozo, grandes poetas, num Sarau aberto ao público.

Obrigado por tudo irmão.

Parabens à Ivone Landin, uma guerreira que vive a literatura plenamente.

Me orgulho muito de conhecer pessoas como vocês. E um dia, num futuro próximo, poderei dizer aos meus filhos a revolução cultural que todos vocês nos proporcionaram.

Sinceros e fraternos abraços.

Allima

Jr júnior disse...

Bons Tempos ! Ainda sinto o sabor do vento em meus olhos, ao lembrar quantos dribles demos no "provável". Nossa vida era cercada de improbabilidades,de surpresas. Esse era nosso encanto,nosso alimento. Era a poesia mais que verdadeira: espontânea.
Sem Dúvidas nossa história no Donana, foi marcante. Inesquecível !! Desejo sempre bons ventos a Dida e a todos que por lá naveguem. E a você brow. Com seu olhar de menino encantado que a cada dia nos faz mais feliz, com sua memória de elefante e sabor pela vida ! te amo!
Vida Longa ao Donana,Vida longa ao Zarayland !

JR BLUE !!

André Gonçalves disse...

Quem venham momentos a se suspender no tempo, a alegria do nosso envolvimento.

Cézar,
Trazendo palavras suaves e delicadas, de alma lavada, o cuidado de quem quer bem. Obrigado ao CCDonana e seus mantedores formidáveis por proporcionar tudo isso e ao Cézar meu irmão, por descrever tudo tão bem.